segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

4 de Fevereiro, força Palancas




A selecção de futebol de Angola defronta hoje à tarde a sua congénere do Egipto, em jogo a contar para os quartos de final da CAN. Cumprido o objectivo de passar a primeira fase, o que aconteceu pela primeira vez numa grande competição, espera-se novamente um bom comportamento dos “Palancas Negras”.
E porque é que a selecção adoptou o nome de “Palancas Negras”?
A palanca negra ou gigante é considerado por especialistas o mais belo antílope do mundo. Só existe em território angolano, sendo por isso considerado um símbolo do país.
Descoberto em 1909, está incluído desde 1933 em listas internacionais de espécies sob protecção absoluta, estabelecidas pela “Convenção para a Protecção da Fauna e da Flora Africanas”. Pela sua raridade e por características únicas, como os chifres, que atingem 1,60 m e são recurvados para trás.
De tão raro chegou-se a temer pela sua extinção, devido sobretudo à guerra, cujos palcos principais aconteceram mesmo no seu habitat, no planalto central. Uma estimativa recente aponta para a existência de 700 exemplares.
São por isso urgentes medidas para a sua protecção.
Logo à tarde, a partir das 17h00 de Lisboa os “Faraós” que tenham isso em conta.

2 comentários:

Anónimo disse...

Os faraós até tiveram. O árbitro é que não.

carlos freitas disse...

Fica para a próxima. mas afinal os árbitros lá são como cá. Fiquei a saber!