sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Só a verdade é revolucionária


Augusto Alberto

Dando uso às rotinas, fui tomar o único café do dia e aproveitei para uma vista de olhos pelos jornais, antes de ouvir a provocação da esfinge que habita no casulo de Belém, verdadeiramente despeitado perante a resposta dada pelo mundo do trabalho, que o acossa e o vai, ao arrepio do que deseja, tirando do sossego.
Na companhia de um companheiro, tínhamos de falar sobre a greve geral, obviamente. E obviamente, as velhas e relhas reacções boçais. Ali e pelas tv’s, gente, como no cavaquistão, tem um gosto especial pela canga. Contudo, ao ainda jovem companheiro de mesa, tive a oportunidade de explicar que os que hoje fazem a greve geral, são o mesmo tipo de pessoas que durante quase 50 anos, em condições muito, mas muito difíceis, nunca fizeram outra coisa senão lutar para restabelecer a liberdade e a democracia, contra a apatia, o medo e a muita resignação de milhões de portugueses, semelhante à sua.
Certo é que o fascismo que se julgava inamovível, cedeu, provando-se que lutando se consegue, ainda que demore tempo. Ai de nós, adiantei, se nos remetemos à passividade. É certo e sabido que os “demofascistas” que comandam, pensarão, e bem, que sendo o povo frouxo, só lhes resta, sem dó nem piedade, concluir o ajuste de contas com Abril. E para concluir, ainda lhe disse: de pouco servirá a greve e a luta mais geral, se milhares de portugueses continuarem em dia de voto, a ir para a praia ou a votar a favor de quem decide destas soluções miseráveis, anulando o efeito da armazinha que os “demofascistas” nos colocam na mão de 4 em 4 anos, convencidos de que nunca a utilizaremos a favor de uma pátria mais justa, mas pelo contrário, construímos com esse voto, democraticamente, a nossa canga.
Se assim for, teremos pela frente mais anos de canga de que quantos tivemos de fascismo. Definitivamente a conversa ficou escarlate, porque a verdade é incómoda e só ela é revolucionária. Por isso, é preciso que se diga, a factura que ai está, não será unicamente paga pelos pais e avôs de hoje, mas também pelos filhos e netos de amanhã. Aliás, como a factura, pintada de atraso social e morte, que sobrou por longos 48 anos de fascismo.
Bem sei que para a classe média, que ainda não saltou a vau para a fome sem ter sido proletarizada, é mais cómodo não aceitar os factos. Contudo, recordo que muita gente, como por exemplo, no velho cavaquistão do “expresso”, grisalhos imbecis, como os Henriques Monteiro e Raposo, babam o velho asco enquanto outros dândis por Lisboa, trabalham para infernizar a minha e ainda, sempre a tempo, a sua vida.

1 comentário:

pvnam disse...

-> Excepto aqueles que andam a brincar com 'isto' - com a evolução demográfica em curso (........) -... ninguém acredita que Portugal vai conseguir sobreviver!
Nota: Com o desmoronamento da base sociológica que esteve na sua origem... uma Identidade não vai conseguir sobreviver!...
{OBS: Uma NAÇÃO é uma comunidade de indivíduos de uma mesma matriz racial que partilham laços de sangue, com um património etno-cultural comum... uma PÁTRIA é a realização e autodeterminação de uma Nação num determinado espaço.}
.
-> A luta pela SOBREVIVÊNCIA sempre foi uma coisa difícil e complicada...
.
-> Quem quiser sobreviver... não pode ficar à mercê de pessoal que anda numa corrida demográfica pelo controlo de novos territórios... [um exemplo: veja-se como os israelitas se DEFENDEM]
-> Não podemos andar por aí como uns 'parvinhos-à-Sérvia' (vide Kosovo)...
-> Antes que seja tarde demais, há que mobilizar aquela minoria de europeus que possui disponibilidade emocional (e coragem) para se envolver num projecto de luta pela sobrevivência... e SEPARATISMO-50-50!...